Vang Vieng

Este final de semana fiz uma viagem bate e volta para Vang Vieng, uma cidade bem turística do país, que fica a a 160km da capital, Vientiane. A cidade é super conhecida entre os mochileiros que viajam pelo Sudeste Asiático, e era considerada a “Meca” dos mochileiros até 2012. Isso tudo por conta do famoso “tubing” que nada mais é do que descer o Rio Nam Xong em uma bóia de plástico, porém ao longo do caminho existem bares onde as pessoas param, bebem muito e usam otras cositas más (a região é conhecida pelo ópio) e essa combinação não deve dar muito certo, correto? Certo. Depois que estava morrendo 1 a 3 turistas (em geral Australianos e Ingleses) por mês, o governo decidiu fechar os bares (em 2012). Então com isso diminuiu o número de mochileiros doidos pela cidade, porém o tubing ainda continua, mas agora com menos bares e mais controle em relação a disponibilidade de drogas.

Então o que é que eu vim fazer nesta cidade? ahhaha pois é, apesar de tudo a paisagem da região é incrível e eu queria conhecer. Então peguei uma minivan sábado de manhã saindo de a estação Norte de Vientiane (custou 50.000 Kip – R$ 15,00 e durou 3 horas) e quando era meio-dia já esta na cidade. Fui rapidamente arranjar um quarto para passar a noite e tinha visto na internet uma guesthouse (tipo pousada) chamada Bee Bee e foi lá mesmo que fiquei. Achei muito boa e uma das acomodações mais baratas até agora. Paguei 50.000 Kip para um quarto individual, com banheiro privado, tv, wi-fi e ventilador (se eu quisesse Ar-condicionada era o dobro 😛

Saindo de lá peguei um lanche rapido e um shake de frutas ❤ e peguei um tuktuk para ir à Blue Lagoon. Não custou muito barato, mas como o local é longe e eu estava sozinha, teve que ser isso mesmo. Custou 100.000 Kip (R$ 30,00) para me levar, esperar e me trazer de volta. Lá no local, além de uma lagoa linda tem também uma caverna para explorar. É um local super gostoso para passar o dia, e além de alguns turistas tinham também vários locais.

Aproveitei para curtir a água gelada da lagoa, já que estava uns 40o! Depois de um tempo resolvi explorar a caverna. Tinha uma subida tensa para chegar até a entrada na caverna e só isso já foi uma boa aventura! Detalhe que eu estava de havaianas, um calçado nada apropriado para essa atividade 🙂

Image

Lagoa Azul – era possível pular lá de cima da árvore, ou ainda tinha uma corda tipo Tarzan.

Image

Família curtindo a lagoa

Continue reading

Advertisements

Cultura não de discute

Já completo praticamente 3 meses que moro no Laos e assim como já escrevi uma outra vez sobre as coisas aleatórias e diferenças culturais que percebi durante este tempo aqui foram:

1. O povo bebe bastante. Muita cerveja, com gelo por favor. E a cerveja preferida é a BeerLao, a cerveja local deles. Detalhe, o fabricamente desta cerveja é a indústria que mais emprega no Laos! Mas mesmo o povo bebendo bastante, em especial durante as comemorações de Ano Novo (que escrevi em outro post), eles não brigam! Não existe violência por conta da bebida… tudo na “paz”. Consegue imaginar no Brasil uma festa de Carnaval sem pancadaria?

Beerlao

Beerlao

2. Neste tempo aqui nunca vi nenhum casal se beijando, abraçando ou trocando carinho. Never! Eles são super “puritanos” e não demonstram carinho em público. O que na minha cabeça é meio difícil de entender, e meio bizarro, mas enfim, é um característica cultural deles. Tenho certeza que eles achariam estranho nosso comportamento no Brasil e vice e versa.

Casamento Lao

Casamento Lao

3. Um fato que chega até a contradizer o ponto anterior é que aqui e pelo que sei da Tailândia também, prostituição e travesti, mudança de sexo etc, é algo bem comum. Nunca esqueço meu choque quando cheguei no Sudeste Asiático, ao ver vários casais (em especial na Tailândia), onde uma linda joven tailândesa acompanha um gringo (em geral bem mais velho). Isso é super comum. Pelo que percebi faz parte do “conhecimento geral” o fato que aqui a prostituição é tão barata e muitos turistas vem aqui justamente por isso. E o sonho destas moças é justamente casar com um gringo e ir embora em busca de uma vida melhor. É uma situação bem triste. Até aqui na minha cidade vejo isso acontecer. Fora a enorme quantidade de “lady boys” que são os travestis. Detalhe: a Tailândia lidera o ranking mundial de operação de mudança de sexo! Para você ter uma noção do tamanho disso aqui. Ao ver esses “casais” pelas ruas acabo generalizando, é claro que pode existir os que estejam juntos por amor, mas acho que estes são a minoria. E a única palavra que consigo pensar ao ver e saber dessa situação toda é nojo do homem que faz isso, que viaja meio mundo para pagar para ter uma “companheira”. Ai enfim, não gosto deste assunto.

4. Desde que estou aqui no Laos nunca usei meu cartão de débito/crédito! Isso simplesmente não é comum aqui. É tudo old style, no papel. No supermercado até da para usar porém eles acrescentam 3% a mais. Isso foi uma grande mudança pra mim que era to tipo que quase nunca carregava dinheiro e passava tudo no cartão. Há e na moeda daqui o Kip, não existe moedas é só nota, e as notas começam em 500 Kip (que seria como R$0,15).

laos-100000-kip-new-bank-note

A nota de 100.000 Kips (R$ 30,00)

5. Um hábito cultural que achei hilário no ínicio é que depois do almoço meus colegas de trabalho voltam para o escritório e dormem! Um deles é um senhorzinho, que almoça todos os dias pontualmente e em 20 minutos já volta ao escritório, tira os calçados, encosta a cadeira em uma pilastra (para poder apoiar a cabeça) e ali ele dorme, por uns 40 minutos, chega até a roncar. As outras colegas no caso só encostam a cebeça na mesa e dormem. Nunca imaginaria isso acontecer no Brasil, não dentro do escritório. Claro que depois de um tempo eu me “adaptei” a este cultura e hoje também faço o mesmo, mas só uns 5-10 minutos para descançar, ainda não consigo pegar no sono como eles 🙂

6. Para terminar, tenho que relatar minha experiência ao ir a uma academia aqui no Laos. Estou frequentando há um tempo uma academia onde os locais vão. É uma academia pequena mas com vários aparelhos e pouco espaço, porém tem o que eu preciso. Uns 90% dos frequentadores são homens, de várias idades e que se preocupam em desenvolver somente seus mebros superiores, então, eles vão à academia de calça social (tipo sai do trabalho agora) e sapato social também. Outros vão de chinelo ou crocs e shorts jeans por exemplo. Outros ainda (no caso mulher também está incluso aqui) que soar queima mais gordura! Então alguns usam aqueles casacos metálicos para suar mais (tipo anos 80) ou preferem andar/correr na esteira SEM ventilador ligado. Fico chocada com isso 😛 Enfim, diferenças culturais.

Desse tipo que estou falando!

Desse tipo que estou falando!

Escrevo sobre estas diferenças não com o olhar de que uma cultura é melhor do que a outra, mas com um olhar de curiosidade, curiosidade para entende-los melhor e aprender ainda mais com as diferenças.

Beijos,

F.

Amizade

Já estou há 10 semanas morando neste lindo país, não tem sido fácil isso eu te garanto, mas pequenas coisas me ajudam a continuar. Como por exemplo minha amiga Nanfom.

Nanfom é uma menina super doce, de 13 anos que ajuda a mãe dela, que é faxineira no meu prédio. A vejo quase todos os dias, quando volto do trabalho e ela esta lá ajudando a mãe, depois que sai da escola. Ela não fala nada de inglês e o meu Lao é super limitado, para não dizer, inexistente. Porém trocamos sorrisos e gentilezas. Tinham dias que estava me sentido super triste, sozinha, porém quando a via, Deus a usava de uma forma tão linda para alegrar meu dia, que chegava a me constranger. Em uma dessas vezes eu elogiei uma flor que ela estava usando no cabelo e quando percebi, ela estava me dando a flor de presente!

Tive que então aprender a dizer “você é linda” em Lao, além de aprender a perguntar o nome e a idade. Então agora todos os dias ela me diz que sou linda e eu digo a ela. Ou ainda mais, dizemos que o cabelo, a blusa, etc, tudo é lindo.

Na ultima sexta-feira, quando cheguei em casa, começamos a conversar e ela queria tirar uma foto comigo, então tiramos. Eu também tinha imprimido um mapa mundi para tentar mostrar de onde eu venho. Ela então sugeriu que iria me ensinar a fazer uma trança no cabelo, um penteado muito usado pelas moças daqui e que num outro dia eu tinha elogiado. Então entramos no meu quarto e ela fez a trança no meu cabelo. Isso tudo, só na mímica 🙂

Louvo a Deus pela vida desta menina que sem esperar nada em troca, demonstra seu amor e sua gentileza comigo.

IMG_20140516_232123IMG_20140520_093703

 

Cheers!

Passeios em Chiang Mai, Tailândia

Tenho que registrar logo como foram os passeios que fiz em Chiang Mai, se não cairão no esquecimento 😛

Quando decidi que iria para Chiang Mai, tinha certeza que queria ir até Chiang Rai, um outra cidade há 2 horas de distância pois ver o templo branco, estava na minha “lista de coisas a fazer na Ásia”. Quando descobri que existiam tours que te levavam até lá e depois voltavam para Chiang Mai (a cidade em que estava hospedada) foi a combinação perfeita.

Porém o tour não inclui só a ida ao templo, inclui também outras coisas que não gostei tanto e vou explicar o porque.

O dia começou bem cedo com o guia nos buscando na pousada (acho que as 7:30) e depois que buscamos os outros passageiros dirigimos 1 hora até no primeira parada que era para ver uma “hot spring” que é um fonte natural de água quente. Nada de mais, porém já existem várias lojas ao redor, vendendo comida e souvenir e o local também serve de parada para ir ao banheiro. A fonte em si a água parece ser bem quente e o mais legal (e criativo) é que existem várias senhoras vendendo ovos, de galinha e de codorna, para você cozinhar ali direto na fonte!

Image

Essa é a “fonte”! Dá para ver o tanto de lojas que existem e todas as vans dos tours param ali, tudo estratégicamente pensado.

Image

Cozinhando os ovos!

Saindo de lá seguimos mais uma hora de viagem até chegar ao templo branco. Que é algo indescritível. Ele foi construído de presente ao rei da Tailândia há mais de 20 anos, porém até hoje ainda não foi concluido. Em alguma partes ele é bem macabro, porém como é tudo super branco é difícil perceber. Dentro do templo é mais bizarro ainda, pois existem pinturas na parede, que infelizmente não deixam tirar foto, mas que envolve desde hello kitty até Michael Jackson. É como se fosse uma galáxia com vários personagens contemporâneos. Bizarro!

Image

Image Continue reading

Moro em um país comunista

Já estou já 2 meses no Laos e acho que só agora comecei a perceber que moro em um país comunista.

Isso significa que todos os meios de comunicação, jornais, tv, rádio, são propriedade do governo. Então é obvio que não existe reportagem sobre corrupção ou algo do tipo, certo? Certo.

Só existe um partido nas eleições e pelo que perguntei para minha colega de trabalho Lao, eles só elegem os membros do parlamento e estes elegem o presidente, que segundo ela, esta no poder há muitos anos. 

O que me deixa irrita com a situação do país é a corrupção e pelo que andei lendo em alguns foruns isso também irrita o povo Lao, porém eles tem medo de falar. Isso afeta o país em outras áreas também, como na religião. Na igreja que vou, somente estrangeiros podem participar, se algum Lao chegar lá, o líder deve avisá-lo que esta é uma igreja para estrangeiros no Laos e que se ele quiser existe uma igreja Lao na qual ele pode frequentar. Também não existem missionários cristãos no Laos, ou tampouco pode-se fazer evangelismo. Ouvi recentement de uma amiga da igreja, de que muitas vezes em cadastros existe o campo “religião” e aqueles que colocam algo que não seja o budismo estão fadados a ficarem com as piores oportunidades de trabalho, então muito acabam se registrando como budistas para não ter que enfrentar isso.

Outro dia li no jornal que o salário mínimo do povo aqui é de cerca de 650.000 Kip, mas sabe quanto é isso? R$ 175,00!

E é com isso que o povo vive. Por isso que muito desejam trabalhar no governo ou nas inúmeras organizações internacionais ou ONGs que estão no país, pois é a única chance de terem um sário mais digno.

Trabalho na mesma avenida onde fica o palácio presidencial, prédio suntuoso que abriga a familía “real”, nunca vi nenhum movimentação, por isso até mes esqueço de que moro na capital de um país. Outro ponto que revolta o povo aqui é em como o Laos tem “vendido” o país para os chineses. Isso não é de se estranhar né. Porém a China tem inúmeros projetos de infraestrutura no país que beneficiam primariamente a eles próprios. Sem nenhuma consideração em ter um desenvolvimento economico e social do país. O Laos é o país mais pobre da ASEAN, organização similar a União Europeia, porém na Ásia, e ao meu ver não há doações, caridade, filantropria no mundo que irá ajudar este país, se ele próprio não fizer alguma reforma interna.

Falando em corrupção, algo que me irrita é que o Laos não dá visto de longa duração, nem para os que vem aqui fazer trabalho voluntário como eu. Então todo mês tenho que cruzar a fronteira com a Tailândia, país este que não cobra nada por seu visto de entrada, e então voltar ao Laos. Cada mês isso me custa 30,00 dolares! E na minha ultima excursão à fronteira, não vi que tinha ficado 1 dias a mais no país, e isso me custou 10,00 dolares! Na volta ao Laos, por ser “fora do horário de trabalho” eles cobram uma taxa extra de 1 dolar. Ou seja, nada é eficiente e é feito propositalmente para arrecadar mais dinheiro do povo.

Abaixo algumas fotos que “roubei” na internet de um Lao revoltado com o governo, que mostra toda a pompa que vivem enquanto 33% da população vive abaixo da linha da pobreza (1.25 dolar por dia – Banco Mundial).

Image

Image

 

Apesar disso eu gosto do país e as pessoas que aqui moram são muito gentis, só espero que um dia abram o olho e saibam do poder que têm como povo de uma nação.

Chiang Mai, Tailândia

Aproveitei o feriado de 1 de Maio e pedi para o meu chefe, para tirar a sexta-feira dia 02 de folga, e como tinha que sair do país para renovar meu visto (ainda tenho que escrever sobre isso), resolvi ir conhecer o norte da Tailândia. Seriam cerca de 14 horas de viagem, de onibus, porém convidei uma amiga (ela é de Hong Kong, porém está fazendo estágio no Laos, assim como eu) e fomos.

A principal cidade do norte da Tailândia é Chiang Mai, conhecida por seus 300 templos e por oferecer inúmeras opções de passeios. Chiang Mai significa “cidade nova” e tem uma grande importância histórica para o país, pois já foi uma das capitais. A cidade me surpreendeu positivamente. A Tailândia como um todo é muito mais desenvolvida que o Laos, e é só atravessar a fronteira que é como se eu estivesse uns 10 ou 20 anos no futuro. Não que seja algo incrivel, é só que comparado ao Laos, essa é a sensação que eu tive.

Minha viagem iniciou com 1 onibus saindo de Vientiane, Laos para Udon Thani, cidade a cerca de 2 horas daqui, e de onde iriamos pegar um onibus noturno para Chiang Mai. Chegando a rodoviária só 2 empresas oferecem o trajeto, uma já estava com o onibus lotado e a outra só tinha 1 assento disponível. Como eramos em duas, estavamos em uma situação complicada. Porém nos ofereceram a “cama” que fica atrás do motorista. Nem sei direito explicar, mas é um espaço que fica atrás do motorista (era um onibus de 2 andares) como se fosse uma cama. E apesar de meio contrariada acabamos resolvendo comprar a passagem, que não teve desconto nenhum (apesar de que tentamos) e custou 888 Baht (R$ 60,00). A viagem foi tranquila, as estradas na Tailândia são muito boas, e em grande parte a estrada é pista dupla. Saimos as 20h30 e chegamos 8h30, 12 horas depois. Chegando na cidade negociamos com um tuk tuk e fomos para uma pousada (guesthouse) a qual eu tinha anotado o endereço porém não tinha feito reserva. Chegando lá eles tinham quartos disponíveis 🙂 e só tivemos que aguardar a hora do check in.

O lugar que fiquei se chama Julie Guesthouse e recomendo. Pagamos na diária para um quarto duplo “superior” 350 Baht (R$ 24,00) dividido por 2 pessoas, preço ótimo né? O quarto era simples, escolhemos a opção com ventilador e banheiro privativo. Não inclui café da manhã mas lá mesmo eles oferecem este serviço por um preço economico. No lounge principal os mochileiros ficam lá conversando, e aproveitando o wi-fi. Neste mesmo “hotel” eles organizam varios tours, mas acabamos não comprando lá apesar de que os preços são todos meios que parecidos se comparado com as outras agências de turismo.

Neste primeiro dia em Chiang Mai, alugamos uma bicicleta por 50 Bath por 24 horas (R$ 3,50) para explorar a cidade. Logo no ínicio fomos conhecer um dos principais templos da parte antiga da cidade (o centro antigo é uma como se tivesse muros, no estilo cidade medieval). Bom, o templo (Wat Chedi Luang) era bem bonito, com várias árvores ao redor e lá tinha também a opção de sentar e conversar com monges. Pelo que entendi é um programa onde os monges ficam lá à disposição para conversar sobre a vida deles, o budismo, etc e eles aproveitam para melhorar e praticar inglês. Sempre tive curiosidade de conversar com um monge e aproveitei esta oportunidade é claro!

SAMSUNG CSC

Primeira refeição em Chiang Mai, um restaurante que só vende pho (essa sopa de macarrão), muito bom!

10254013_782227418461636_1127050828067959691_n

Dentro do templo. Estes papéias no teto são pedidos de oração.

10261983_782227605128284_4744012851165865280_n

Ao redor to templo, tinham várias desta árvore linda.

10308208_782227525128292_5919861433158929239_n

Wat Chedi Luang

10339724_782227628461615_8056836820628941240_n

É muito comum ter este tipo de estátua dentro de alguns templos, é bem bizarro, pois é feito de cera e parece super real. Em geral é a estátua de algum monge muito respeitado que morreu.

Eu e Louisa (minha amiga) sentamos e conversamos por um longo tempo, acho que foi umas duas horas, com um monge que tinha 21 anos e era originalmente do Laos. Perguntamos várias coisas, mas o inglês dele não era muito fácil de entender então algumas coisas só fingiamos que tinhamos entendido ahhaahah. Enfim, ele é monge há uns 6-7 anos e contou um pouco sua rotina. Acordam cedo, alguns saem do templo para recolher comida (como expliquei no post de Luang Prabang) e depois fazem suas orações, estudam, almoçam (termina por ai as refeições do dia, depois só podem líquidos), ajudam a limpar e cuidar dos templos, têm também seu tempo livre, e é mais ou menos isso. Ele está concluindo seus estudos e pretende estudar negócios. Muitos viram monges pois é uma oportunidade de receber uma boa educação e depois com seus 20 e poucos voltam a “vida normal”. Perguntei a partir de que idade um rapaz pode virar monge e ele disse que a partir da idade que ele sabe cuidade de si próprio, ou seja meninos com 7 ou 8 anos já podem. Eles estudam também bali (que até o final da conversa eu achava que era uma lingua de Bali na Indonésia, mas não… ahha) esta é a lingua de Buda, e a lingua na qual esta escrito os ensinamentos deles.

1557549_782227401794971_8561978325544523375_n

Cartaz convidando para sentar e conversar com os monges.

Tentamos entrar em assuntos mais complexos, do tipo o que é felicidade pra você, o que acontece depois da morte, etc, mas para minha surpresa ele não nos deu nenhuma resposta super filosófica, e parece ter as mesmas dúvidas que qualquer pessoa. Mas algo que ele sabia de cor era a escalação da seleção brasileira, que ele fez questão de compartilhar comigo! ahhaha Perguntei se ele jovaga futebol, mas os monges da Tailândia não podem fazer nenhum exercício físico (ele disse que os monges do Nepal podem!). Enfim, foi um papo interessante e valeu a experiência.

Depois disso, fizemos vários pit stops para tomar shakes de frutas, algo muito comum aqui e que custam super barato tipo 40 Baht (R$ 2,00). Aproveitamos e fomos conhecer o Night Bazaar. Que é uma feira que acontece todas as noites, com inúmeras barracas vendendo os mais diversos produtos. É uma feira mais para gringo (falang em Lao), então tem bastante produto falsificado, mas tem também artesanato e opções para comer.

Aproveitamos que estávamos lá e negociamos com uma agência alguns passeios que queriamos fazer. A agência fica lá na rua principal do Night Bazaar e se chama Topper Tours  e a gerente “Laura” foi bem atenciosa. Como já eram quase 10 da noite e queriamos fazer um tour no dia seguinte, apesar disso deu tudo certo. O preço deles também era bem competitivo e conseguimos negociar.

No final pagamos 1100 Baht (R$ 75,00) para o tour para Chiang Rai que contarei em detalhes no próximo post e 900 Baht (R$ 61,00) para o outro tour que tinham milhões de atividades envolvidas e que também contarei em outro post.

Bom, dos 4 dias que tivemos em Chiang Mai, 2 foram destinados a fazer os tours e outros 2 para conhecer a cidade. Mas se tivesse uma semana ainda sim teria coisa para ver por aqui. A cidade em si é super fofa, e muito bem preparada para o turismo, talvez nem sempre do jeito mais sustentável. Nos sábado a noite acontece uma outra feira, Night market, que este sim pude ver muito mais locais, e os produtos vendidos eram diferentes, o que eu gostei. A feira é enorme, tem barraca de tudo que você imaginar, além de massagem ali na rua mesmo (eu fiz e foi maravilhoso! E o melhor 150 Baht (R$ 10,00) por 1 hora!), além de diversos tipos de comida. A feira termina lá por 23h e quando saímos já estavam fechando tudo. Eita povo que trabalha hein! No domingo tem também uma outra feira, na rua principal da cidade antiga, mas esta conseguimos ver só um pouco, pois tinhamos que pegar nosso onibus de volta.

No domingo, depois de 2 dias destinados aos tours, fomos conhecer o templo mais importante de Chiang Mai que se chama Wat Phrathat Doi Suthep. Fica no alto de uma montanha há uns 20 km da cidade. Para chegar é meio chato, pois 1o pegamos um “taxi” (que nada mais é do que umas pick ups vermelhas que tem aos montes na cidade e que fazem o serviço de transporte público, e que são mais baratos do que os tuk tuks), que custou 30 Baht até o zôologico e de lá eles organizam para levar 10 passageiros nas pick ups, até o alto da montanha e custa fixo 40 Baht. Só que nesta ida, passei bem mal, pois é só curvas! Foi tenso. Na volta pagamos 70 Baht para o motorista nos levar direto ao centro da cidade onde tinhamos deixado nossas bicicletas. Ou seja ida e volta custou 140 Baht (R$ 9,60). O templo em si vale a pena a visita, pois principalmente no domingo, muitos locais estão no lugar fazendo suas preces e rituais. Lá do alto da também para se ter uma vista panorâmica da cidade (a detalhe: depois de subir de carro, ainda tem uma bela escada pela frente).

1896862_782230015128043_5571290009618453128_n

Escadaria para subir ao templo.

10153865_782230388461339_9007663832656706318_n

Vózinha ascendendo uma vela.

10313620_782230668461311_8263041042935766620_n

Mais algum dos rituais que os budistas fazem no templo. Este em si é para obter vida longa.

1002694_782230088461369_6682453153089244661_n

A estopa principal do templo.

10309346_782230555127989_9217589007225699006_n

Vista panorâmica de Chiang Mai.

Bom depois disso fomos comer na região de Mun Mueang, um dos portões para entrada na cidade antiga, onde haviam várias barraquinhas de comida e artesanato. De lá fomos pegar nossas mochilas no hotel e fomos para a rodoviária, compramos nossa passagem 2 dias antes pois estavamos com medo de ter que ir na “cama” da vinda e pagamos 646 Baht (R$ 44,00) e foi bem tranquilo, servem até lanchinho.

Foi até dificil se despedir de Chiang Mai. A cidade é linda, inúmeras opções de passeio, hospedagem, restaurantes, cultura, etc. Fora que nossos olhinhos brilharam ao ver um starbucks (apesar de que nem comemos nada lá), ou de ver um supermercado descente (esse sim foi uma emoção) e de poder comprar em uma Boots (farmácia inglesa que tem aqui também). A cidade tem também shoppings modernos, porém com tanto coisa pra ver, não ia “perder meu tempo” com shoppings né? #evoluçãodaespécie

Fiquei muito feliz também de ter viajado com uma amiga, apesar de gostar de viajar sozinha, é bom ter alguém para compartilhar e trocar experiências. Aprendi bastante coisa e pude ensinar também. Nos divertimos bastante e aproveitamos para recarregar nossas baterias para voltar ao Laos renovadas 🙂

Tailândia I love you ❤