Crazy ride and the Mekong River dolphins

Como o motivo do meu “tour” pelo Sudeste Asiático é dar continuidade a minha pesquisa do mestrado, nada mais justo do que visitar o Rio Mekong (um dos principais rios do SE Asiático, que corta 6 países e que é meu objeto de estudo) e passar por onde o Rio passa no Camboja. Para isso escolhi a região do Nordeste do país onde é possível avistar golfinhos, que vivem apenas nesta região do Rio e estão ameaçados de extinção (só existem cerca de 75 nesta região). Mas para isso tive um dia longo de viagem, se não um dos mais difíceis, uma vez que não há rodovia que liga direto Siem Reap, onde eu estava, à Kratie.

Bom, então as 7 da manhã já estava eu aguardando o ônibus, onde viajei pelas próximas 6-7 horas, sem muito espaço ou conforto. Sabia que eu teria que trocar de ônibus mas não fazia idéia de quando, até que o ajudante do motorista nos mandou descer assim que chegamos em uma cidade – que não faço idéia de qual era – ao menos não tinha só eu, mas também 2 franceses (que estão dando uma volta ao mundo) e que também estavam indo para Kratie. Nisso fomos direcionados a uma minivan, aguardamos uns outros passageiros, todos locais, o motorista tentava falar comigo em khmer e claro que eu não entendia nada. Até que… ainda na cidade, ele nos levou a uma rua, tipo de feira e pediu para descermos. Nisso eles começaram a carregar a van com legumes e verduras. Tipo MUITA COISA! Isso durou mais ou menos uma hora.. pois não era só carregar, ainda pesavam e iam verificando uma lista, para ver se estava tudo certo. Eu já não acreditava mais que seria possível sermos transportados naquela van, pois todos assentos foram ocupados (até o teto) sobrando somente 3, os da primeira fileira, além do lugar do motorista e do passageiro. Fiquei em estado de choque e perguntava para um cambojano que falava um pouco de inglês se de fato iríamos naquela van, e ele confirmou. Detalhe, só tinha eu e mais 8-9 homens, os demais passageiros. Felizmente eu não era a única gringa #obrigadasenhor!

Image

No meio do “processo”

Image

Let’s go?

Image

Detalhe do lado de dentro 😛 Mãe fica tranquila!

Nisso, ao menos fui privilegiada de ir no banco da frente, bem apertado, mas pelo menos não tive que me espremer no assento de trás, com os demais 8. A viagem em si durou umas 2 horas, até sermos descarregados em Kratie. Infelizmente este foi o tipo de situação que eu não tinha o que fazer, pois estava em uma cidade X e já estava quase fim do dia então ter escolhido ficar lá para no dia seguinte pegar um transporte decente para Kratie seria muito mais complicado. O pior de tudo é que paguei para viajar desse jeito (o trecho Siem Reap até Kratie foi $12,00)!

Enfim, olhando pelo lado bom da coisa, tenho mais histórias para contar 😛 . Mas vale dizer que não me senti ameaçada ou com medo, por ser a única mulher, foi mais o fato de ser zero conforto e viajar àla cambojano.

Chegando em Kratie, que é uma cidade bem pequena sem quase nada para ver a não ser os golfinhos e trilhas pela beira do Rio, fui direto para a guesthouse (pousada) que tinha lido no Guia Lonely Planet e consegui um quarto privado por US$5,00. A pousada chama Balcony guesthouse e é simples mas boa, eles tem também um restaurante com comida boa e um ótimo wi-fi, fora que a família que é dono do local são muito amigáveis, honestos e pude conversar um pouco com o dono, sobre seus planos, suas desilusões com a política do seu país, etc. Ele mesmo foi quem organizou no dia seguinte um tuktuk para me levar para ver os golfinhos (o local fica a 15km de Kratie).

Estava muerta de cansaço depois da aventura que foi para chegar a cidade então apaguei, e no dia seguinte fui lá pelas 9 da manhã para ver os golfinhos. Chegando lá tem que pagar US$ 9,00 (para 2 ou mais o preço é de 7) para o barco te levar até o local de observação. Chegando lá só tinha eu e meu barco e estava uma brisa delícia, e vi vários golfinhos! Muito lindos, foi emocionante. Pena que só conseguimos ver estando mais de longe, então foi difícil fazer uma foto boa, estilo National Geographic.

Depois de um tempo, uns 40 min, avisei o piloto (?) que podíamos voltar, porém o motor de uns 50 anos que o barco tinha resolveu não trabalhar e até ele reviver demorou uns 30 min. Pouco antes de irmos chegaram uns 5 barcos com outros turistas, e pude perceber que quase não se via mais golfinhos, então vale a pena ir mais cedo!

Image

O barco e o Rio Mekong, que é enorme!

Conseguem ver o golfinho?

Conseguem ver o golfinho?

Olha que lindo!

Olha que lindo!

Eu no Rio Mekong

Eu no Rio Mekong

DSC_2011

Instrumento usado na pesca.

Bom, no retorno para Kratie, fui tirando várias fotos, pois o caminho todo é pela zona rural, o que adorei poder observar. Além disso pedi para parar em um templo que é uma das atrações de Kratie (apesar de que ele parece estar abandonado no momento) que é conhecido por ter 100 pilares, como irão ver na foto 🙂

Casa típica. De norte a sul, por onde passei as casas sempre são assim elevadas do chão.

Casa típica. De norte a sul, por onde passei as casas sempre são assim elevadas do chão.

Menina com uniforme escolar

Menina com uniforme escolar

Andando pela zona rural, as crianças sempre dizem "hello" e sorriem :)

Andando pela zona rural, as crianças sempre dizem “hello” e sorriem 🙂

O Rio ao fundo, as casas, e as plantações ao fundo.

O Rio ao fundo, as casas, e as plantações ao fundo.

O templo com 100 pilares

O templo com 100 pilares

SAMSUNG CSC

Próximo ao templo tinham várias borboletas! Então, virei fotógrafa :P

Próximo ao templo tinham várias borboletas! Então, virei fotógrafa 😛

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

lindo

lindo

Dormi mais esta segunda noite em Kratie, aproveitei antes para andar pela cidade e realmente não tem nada, e no dia seguinte já peguei uma Van – desta vez só com pessoas e não legumes 😀 – em direção a Phnom Penh (de volta a capital) pois apesar de não saber ao certo para onde eu iria (estava na duvida), qualquer caminho me levaria até lá, pois é de onde todos outros ônibus saem. Acabei decidindo ir para Kampot, sul do país e de onde vos escrevo (já é meu último dia no país) e após 4 horas na minivan vindo de Kratie, cheguei em PP e já fui direto ver se tinha um ônibus para Kratie (6 horas de viagem – US$ 7,00) e sim tinha, para daqui 2:30, tempo ideal para eu dar uma volta e almoçar tranquilamente. A viagem até Kampot foi tranquila, porém foi mais um dia inteiro que passei viajando, detalhe isso tudo foi cerca de 500km e demorei 10 horas! Viajar pelo Camboja não é nada fácil, mas mesmo assim tem valido a pena.

Outro templo, este já no centro de Kratie.

Outro templo, este já no centro de Kratie.

Templo principal de Kratie

Templo principal de Kratie

Bom, no próximo post contarei sobre Kampot e um resumo destas 2 semanas que passei no Camboja.

Bye ❤

F,

Advertisements