Bali, love it or leave it!

Oh Bali, sem dúvidas um dos destinos que eu estava mais ansiosa para conhecer, porém sem saber exato o que esperar. Já tinha ouvido diversas opiniões de gente que curtiu, gente que amou e muita gente que não gostou, dizendo que Bali é overrated e muito turístico.

E fato é: Bali não é nada daquilo que você imagina, ou que você viu no filme Comer, Amar, Rezar, porém ainda sim é Bali.

Bali é de fato única o que faz com que apesar de não ser aquilo que se espera (pelo menos para mim), valer a visita. Bali é uma ilha bem grande e concentrei meus 10 dias em dois lugares diferentes, primeiro na região de Denpasar/Kuta e em seguida em Ubud. Bali não existe transporte público, e muito menos ônibus conectando as cidades. O que muitos turistas fazem é alugar um carro com motorista que sai por 30-40 US, o que é muito conveniente, porém quando se viaja sozinha como yo isso é impraticável. Consegui um ônibus saindo da balsa vindo de Java que nos levou até Denpasar, de lá peguei um mototaxi para me deixar no meu hostel.

Acabei escolhendo um hostel pelo preço e acabei não ficando bem localizada, mas no final das contas isso não fez muita diferença pra mim. Estava a cerca de 30 minutos caminhando da praia de Kuta. Esta é a região para quem quer festas e está de férias, pois é tudo tão moderno e ocidentalizado que não chega a parecer que você esta na Indonésia. É a região mais turística e entre julho-setembro esta é a época que Bali esta lotada de Australianos (e brasileiros!) em busca de festa e ondas. A praia em si não é nada demais e nem me animei a entrar, a areia é escura e dura e as ondas são super fortes. Só fui para assistir o sol se por, pois este sim foi lindo.

A região em que estava era menos turística então conseguia comer na rua por cerca de 1 dólar por uma comida deliciosa (Mie Ayam – macarrão com frango) e estava super feliz. Já na região de Kuta mesmo, existem vários restaurantes (até Hard Rock Café!) onde a maioria serve comida ocidental, para quem não quer se preocupar em pensar o que é a comida local e fica feliz com uma pizza. Porém o único dia que jantei por lá, gasta-se muito mais, cerca de 8-10 dólares, o que ainda é barato caso se compare com Europa ou EUA, mas que para meu budget de mochileira não cabe.

SAMSUNG CSC

Entrada de Kuta beach

SAMSUNG CSC

Meu primeiro por-do-sol em Bali

SAMSUNG CSC

Como estava fazendo tudo à pé, ficava revoltada com o fato de que quase não existe calçada e as que existem viram “rua” para os motoqueiros apressados! Ou seja, até andar por lá era difícil.

Bali é muito bom para fazer compras (tanto Kuta quanto Ubud) e seguindo o padrão Ásia, todas as lojas vendem praticamente as mesmas coisas, então vá preparado a negociar e a ser duro caso não queria comprar algo. Nesta região compensa comprar anéis/brincos de prata, algo típico de Bali e que tem um preço super bom. Os comerciantes são bem insistentes, e após te dizerem o preço (e você achar caro) eles perguntam: quanto você quer pagar? Ai vale jogar o preço pela metade, até vocês chegarem a um acordo. Claro que é importante manter o bom senso, pois o que percebi eles tem um certo medo de perder a venda pois acham que isso irá trazer azar para suas vendas. Eles dizem: oh make me luck, buy something (me de sorte, compre algo), e assim que você compra eles pegam a nota de dinheiro e passam pelos itens da loja, justamente para “trazer sorte”.

SAMSUNG CSC

 

A questão da religião é algo muito forte em Bali, uma das poucas regiões da Indonésia (que é maioria muçulmana) onde 90% da população é Hindu. Os templos, deuses e oferendas estão em cada esquina e em todas as casas. Andando pela calçada eu tinha que tomar cuidado para não pisar em nenhuma oferenda, pois elas estão em todos os cantinhos, esquinas, etc. Pela manhã era possível ver mulheres passando em cada loja, cada templo, deixando flores e fazendo seus rituais.

 

SAMSUNG CSC

As oferendas que estão presentes por toda a ilha

 

SAMSUNG CSC

Andando por Kuta

Um dia decidi ir conhecer a região de Uluwatu, mais ao sul da ilha de Bali e onde fica a praia de Penang Penang, que supostamente é uma das mais bonitas de Bali. Negociei com um motorista para me levar, mas acabou sendo furada pois ele me deixou lá e tive que me virar para voltar. Muitos alugam moto (estilo scooter) para ficar livre e ir a onde quiser, porém o trânsito é ridículo de perigoso e não há respeito nenhum a nenhuma regra de transito, então decidi não correr este risco.

Bom a praia de Penang Penang em si é bonita, porém quase não há “praia” em si, e tive que achar um micro espaço para colocar minha canga. Fora que esta é uma praia para surfistas, então mal me atrevi a entrar no mar e já levei um caldo, sendo que o fundo do mar não é areia e sim pedras, sendo impossível conseguir ficar de pé. Fora que eles não sabem o que fazer com o lixo gerado pelos turistas na praia e simplesmente jogam atrás das pedras (foto). Saindo desta praia, peguei um mototaxi para ir até o templo de Uluwatu este sim um dos principais pontos turísticos de Bali e cheguei bem a tempo de ver um lindo por do sol. O parque é bem bonito e fiquei um bom tempo por lá, observando os macacos e tirando várias fotos. Lá também tem todas as noites show de dança balinesa, para quem tiver interesse.

SAMSUNG CSC

O lixo na praia de Penang Penang 😦

SAMSUNG CSC

Penang Penang

SAMSUNG CSC

O templo de Uluwatu

SAMSUNG CSC

Os macacos que atacavam turistas desatentos

SAMSUNG CSC

Lindo!

SAMSUNG CSC

Foi saindo deste templo que conheci um grupo de brasileiros e acabamos nos encontrando em outras duas cidadesSAMSUNG CSC, Ubud e em Gili e para mim que fazia séculos que não encontrava brasileiros foi bom demais, brasileiro é outra coisa né?

Depois de 5 noites em Kuta, segui para Ubud. Algumas agencias de turismo organizam ônibus para os turistas, e foi em um desses que fui, a viagem em si é 1 hora e meia, super perto.

Ubud vale relatar em um outro post pois este lugar sim é a verdadeira Bali.

Cheers,

F. ❤