Georgetown, minha cidade favorita na Malásia!

Saindo de Cingapura (com C ou com S?) no dia 25/08 de manhã cheguei em KL por volta de 13h e fui buscar meu computador que tinha deixado arrumando na assistência técnica e de lá já fui direto para outra rodoviária, Puduraya station, que felizmente ficava a uns 20 minutos andando de onde estava. Chegando na rodoviária comprei o próximo ônibus saindo para Georgetown em Penang, e custou cerca de 35 MRY (uns 10 dólares) e em mais 6 horas de viagem chegava em Georgetown. Este dia em específico foi muito cansativo, pois tinha saído de Singapura as 7:30 da manhã e passei 12 horas viajando.

Bom, cheguei em Penang e a rodoviária ficava longe de onde iria ficar, o hostel que reservei (House of Journey – recomendo!) indicou pegar um ônibus público para chegar até lá, e lógico que foi essa opção que escolhi né? rs. No final, da hora que cheguei na rodoviária até chegar no hostel demorei mais 1:30! Ufa. Felizmente o hostel era bem localizado, próximo a várias barracas de comida de rua, algo que é super famoso em Penang e foi por lá que jantei.

Para explicar melhor, Penang é uma ilha da Malásia (bem grande) e nesta ilha a maioria das pessoas ficam, e é a capital deste estado, é em Georgetown, cidade super fofa e cheia de um estilo próprio que eu adorei. Existem passeios que se pode fazer a partir de Georgetown para conhecer o resto de Penang, entre eles o Parque Nacional e a praia, porém peguei alguns dias de chuva e acabei não indo à nenhum destes outros pontos turísticos e fiquei só pela cidade mesmo, que apesar de pequena, adorei ficar andando e explorando cada canto.

No primeiro dia resolvi seguir um mapa específico que aponta os locais onde os grafittes e outras street arts estão localizadas e foi o que mais gostei na cidade. Essa mistura de prédios históricos, Georgetown é patrimônio da Unesco, com diferentes pinturas e esculturas espalhadas pela cidade dão um charme todo especial.

 

Tradicional templo chinês

Tradicional templo chinês

Uma das artes de rua

Uma das artes de rua

Adorei o fato deles incluírem objetos à arte

Adorei o fato deles incluírem objetos à arte

Minha favorita <3

Minha favorita ❤

Existem várias destas "esculturas" de ferro espalhadas pela cidade.

Existem várias destas “esculturas” de ferro espalhadas pela cidade.

A cidade também é conhecida por sua culinária, e de fato comi super bem e gastando pouco. É claro que a opção mais barata são as barracas de ruas, porém existem inúmeros cafés e restaurantes pela cidade onde uma refeição com bebida custava cerca de 8-10 dólares. Aproveitava estes lugares para trabalhar na minha dissertação, já que estava havia uns 15 dias sem conseguir trabalhar, já que meu computador tinha decidido tirar férias 😛 Existe o bairro “little India” assim como em KL e em Singapura, então para quem quiser comida indiana, opções não faltam, mas em geral as comidas de rua são de influência chinesa (o que eu prefiro).

A área de comida de rua, perto do meu hostel

A área de comida de rua, perto do meu hostel

Meu suco favorito, cenoura e laranja :) detalhe para a embalagem.

Meu suco favorito, cenoura e laranja 🙂 detalhe para a embalagem.

Tom yam Mee, meu prato favorito, e o melhor por apenas 1-2 dólares!

Tom yam Mee, meu prato favorito, e o melhor por apenas 1-2 dólares!

No dia seguinte por recomendação de uma moça que conheci em uma livraria, fui visitar uma exposição fotográfica que estava acontecendo por aqueles dias e quando estava no caminho acabei passando por uma outra exposição fotográfica. Adorei as duas. Isso mostra um pouco da vibe artística que rola na cidade e vale dar uma olhada no calendário cultural para ver o que está acontecendo enquanto estiver na cidade, em geral nos hostels existem vários panfletos de tours e do que está acontecendo pela cidade.

Acabei ficando lá por 4 noites e 3 dias e foi um tempo bom para conhecer bem a cidade, pois é bem pequena e é possível fazer tudo caminhando.  Mas isso porque não visitei o restante da ilha, então para isso seria preciso mais tempo.

Cheers,

F. ❤