Sri Lanka em 12 dias!

O Sri Lanka entrou no meu roteiro, nada planejado, por pura curiosidade minha. Lógico que sou curiosa para conhecer cada país, porém o Sudeste Asiático em si já tinha conhecido praticamente todos países, e pesquisando dentre os destinos que minha queria Air Asia voa acabei escolhendo o Sri Lanka. Queria India, porém estava fora de cogitação por ser muito perigoso para mulheres irem sozinhas. Ida e volta Kuala Lumpur (Malásia)-Colombo custou cerca de 200 dólares.

O voo leva umas 3 horas e cheguei em Colombo na tarde do dia 02 de Outubro. Cheguei no país sem ter tido muito tempo de pesquisar o que fazer e para onde ir, porém sabia 2 coisas que eu não podia ir embora sem ver (ambos adentraram minha mente, após ter assistido a ultima season de Amazing Race):
1. Andar de trem com o mar a poucos metros.
2. Pescadores que só são visto aqui, com um jeito bem especifico.
Bom, cheguei em Colombo, e peguei um ônibus que leva até o Forte, detalhe que o aeroporto é super longe de demorou cerca de 2 horas e meia até chegar no hostel que eu tinha reservado.
Não queria perder muito tempo em Colombo então decidi que no dia seguinte já iria pegar o trem rumo a Galle, uma cidadezinha fortificada que fica no sul do país. Neste hora decidi também que deveria comprar o guia Lonely Planet do país, para facilitar minha vida e eu ficar menos barata tonta, e foi uma boa compra, como sempre.
A viagem de trem foi aquilo que eu esperava, trem lotado, sem lugar para sentar e ainda descobri que tinha comprado o bilhete para 3a classe! O ticket custou menos que 1 dólar, então não podia esperar muita coisa né? hahah Fui seguindo em direção a 3a classe, mas como estava tudo lotado, sentei na porta do trem, assim como os locais, e lá segui viagem pelas próximas 3 horas e posso te dizer que foi um dos pontos alto desta viagem!
A vista durante a viagem

A vista durante a viagem

Dentro do trem

Dentro do trem

Chegando em Galle o motorista to tuktuk me levou a uma guesthouse que “ele indicava” e fui dar uma olhada e acabei ficando por lá mesmo. A guesthouse ficava dentro do forte e custou cerca de 13 dólares para quarto privado (sem café da manhã).
Dentro do Forte em si, achei os restaurante meio caros, por ser bem turístico, porém mesmo assim nada exorbitante e era possível comer um belo curry típico por 5 dólares. O Forte é super charmoso, e foi lá que assisti meu primeiro por do sol no Oceano Índico e foi de tirar o fôlego!
No meu segundo dia por lá, negociei com um motorista de tuktuk para me levar a alguns lugares, e para ver o tal dos pescadores. Fomos até lá, e os belezinhas cobram para você tirar foto deles, mas ok né. Depois disso ele quis me levar a um Herbal Garden, um jardim com diversos tipos de planta e o guia do local foi me mostrando cada planta e cada remédio/creme que eles fazem com a tal da planta, além disso rolou uma rápida massagem que eu curti, é claro 😛 Ele acabou me deixando numa praia que fica bem próximo a Galle e que é linda!
Os pescadores únicos do Sri Lanka

Os pescadores únicos do Sri Lanka

SAMSUNG CSC

Bananas e muitas bananas por todo o país!

Bananas e muitas bananas por todo o país!

Tuktuks

Tuktuks

Comida de rua

Comida de rua

O farol do forte de Galle

O farol do forte de Galle

Alguns locais pulavam do alto do forte para que os turistas registrassem em uma boa foto e para que eles ganhassem um dinheiro com isso.

Alguns locais pulavam do alto do forte para que os turistas registrassem em uma boa foto e para que eles ganhassem um dinheiro com isso.

Por do sol do alto do Forte de Galle

Por do sol do alto do Forte de Galle

Aproveitei para ficar pela cidade de Galle (fora do forte) e andei por lá, vendo os locais, as feiras, etc.
No dia seguinte, peguei um ônibus local rumo à Tangalle, outra cidade do litoral e que era bem recomendada pelo guia. Vale dizer que andar de ônibus publico pelo país é ridículo de barato. Cada trecho de 2-3 horas de viagem custa no máximo, 1,50 dólar. Mas claro que estou falando de ônibus pinga-pinga, sem ar-condicionado ou poltronas, mas mesmo assim valeu a experiência.
Em Tangalle, achei uma guesthouse de frente à praia, também por 12-13 dólares, sendo que meu quarto tinha vista para o mar! Não achei nada ruim 😛
A cidade em si eu nem vi, pois fiquei só ali pela praia, relaxando, trabalhando e assistindo o por do sol. Um programa famoso para fazer na cidade é ir ver as tartarugas marinhas que durante a noite vão à praia para depositar seus ovos. Eu fui na primeira noite porém não tive muita sorte e só vi as bêbes, pois nenhuma das grandes (dizem que chegam a 1,5m!) foram à praia na noite em que fui. O local que fui trabalha com a preservação da espécie e custa 10 dólares, porém você só paga se a tartaruga aparecer.
Tangalle

Tangalle

Por do sol em Tangalle

Por do sol em Tangalle

Saindo de Tangalle fui seguindo em direção ao centro do país, na região de montanhas e plantações de chá, também muita famosas entre os turistas. Escolhi ir para Ella e tive que pegar 2 ônibus até chegar lá.

Por lá faz um frio gostoso então é preciso casaco. Negociei com um tuktuk que me levou à uma cachoeira bem bonita que existe por lá e foi engraçado que quando cheguei, eu tinha intenção de entrar, porém só tinha homens locais nadando por lá… ai fiquei meio sem saber o que fazer e para não causar muito, entrei de roupa e tudo ahhaha
 SAMSUNG CSC

Cachoeira em Ella

Cachoeira em Ella

Os locais se divertem da sua maneira

Os locais se divertem da sua maneira

Depois da cocheira fui até um pico conhecido como Little Adam’s Pick e a vista lá do alto era linda!
Little Adam's Peack

Little Adam’s Peack

 Viajar por essa região vale muito a pena, pois o tempo todo você passa por montanhas, plantações de chá, cachoeiras, etc… é simplesmente lindo.
Minha intenção era pegar um trem rumo a Kandy, e dizem que este trecho da viagem é lindo fazer com o trem, porém para minha “sorte” os trabalhadores dos trens decidiram entrar em greve!
Acabei conseguindo uma carona até uma cidade próxima, e no caminha passei pelas plantações e vi os trabalhadores, algo que não tinha visto em visita à uma plantação de chá na Malásia, por esta mesma razão não fiz questão de ir visitar uma das inúmeras fabricas de chá (já que já tinha visto na Malásia).
Linda senhora trabalhando nas plantações de chá.

Linda senhora trabalhando nas plantações de chá.

Uma das senhoras que trabalha na plantação de chá.

Uma das senhoras que trabalha na plantação de chá.

Crianças locais que adoram uma camera fotográfica :)

Crianças locais que adoram uma camera fotográfica 🙂

O trecho para chegar até Kandy foi penoso, precisei pegar 3 ônibus! Mas felizmente cheguei e achei uma guesthouse simples porém bem localizada e por lá fiquei as próximas 3 noites.
Kandy é famosa por abrigar um dos templos mais importantes do país, ah vale lembrar que a maioria do país é budista, e neste templo reza a lenda, esta um dos dentes do Buda. O local é super famoso entre o fieis que lotam o templos todos os dias, todos vestidos de branco e trazem suas flores ao templo. Eu não fiz questão de entrar no templo pois para turista custava 10 dólares! Sendo que o tal do dente é guardado a 7 chaves e nem é possível ver nada.
A cidade é bem charmosa e tem um lago enorme bem no centro, por onde é gostoso caminhar. Todas as noites as 18h acontecem apresentações de dança típica no Town Hall da cidade e custa 5 dólares. Fui assistir uma delas e gostei, pois é uma cultura única e eles são bem doidos. No final da apresentação tem homem comendo fogo e andando sobre brasa!
Dança típica.

Dança típica.

O lago em Kandy

O lago em Kandy

Oferendas do templo budista.

Oferendas do templo budista.

Elefantes, por todo o país!

Elefantes, por todo o país!

Curry <3

Curry ❤

Olhando algumas recomendações no TripAdvisor, uma visita ao cemitério inglês da cidade era super recomendada ahahah eu eu fui né? Os ingleses foram os últimos a ocupar o Sri Lanka e os túmulos são desta época, bem antigo e onde as pessoas mal chegavam aos 40 anos. Então apesar de ser um passeio bem creapy foi interessante.
Voltei para Colombo e tive ainda 1 dia e meio até meu vôo no dia 14/10. Felizmente uma amiga que conhecia alguém daqui, nos colocou em contato e fui conhecê-lo. Foi ótimo pois ele trabalha com iniciativas de comércio justo (Fair trade) e fui conhecer alguns projetos com o qual ele trabalha. Gostei bastante pois é sempre bom conhecer algum local com quem voce pode conversar e entender melhor os problemas porém também as qualidades do país na visão de quem mora aqui.
Ele e sua familia foram extremamente gentis comigo, uma família local com a qual ele trabalha me ofereceu um almoço (curry) típico delicioso e ele me levou para ver os elefantes que são banhados próximo a sua casa, a poucos kilometros do centro de Colombo. Só no Sri Lanka para ver esse tipo de coisa!
Sai do país com uma imagem super positiva, pois acho que estava esperando algo parecido com a Índia. É claro que tem suas similaridades, todo mundo tem cara de indiano, as mulheres em sua maioria usam o sari, etc (na verdade não sei qual outra similaridade já que nunca fui a Índia ahahha). Porém o país é super limpo e relativamente seguro. As pessoas são super gentis e em sua maioria falam um pouco de inglês. A única coisa chato foi o assédio masculino, que é cansativo e chato. Porém vale dizer que eles não são agressivos e não encostam em você ou algo assim e nem chegou ao ponto de me sentir ameaçada, porém é chato.
O país é lindo, e oferece paisagens bem diversas, como praias, montanhas, etc. Conheci somente uma pequena região desta ilha, porém é a região que mais recebe turistas e é bem preparada para isso.
Ah, o visto para entrada deve ser comprado online alguns dias antes de visitar o país (e-visa) e custa 30 dólares e a maioria dos países podem escolher esta opção, como no caso do Brasil.
Sri Lanka também entra na minha lista de países que voltaria (após conhecer todos os outros que ainda quero conhecer hahah 🙂 Mas sim, super recomendo!
Cheers,
F. ❤
Advertisements