Travel as much as you can!

Hoje a foto de lembrança que meu facebook me mostrou, foi de 2 anos atrás, eu em Halong Bay, um dos lugares mais lindos que já fui, e a saudade é grande.

Não sei porque, perdi o ritmo de escrever no blog, na verdade até sei… é porque a vida nômade terminou, pelo menos por agora. Depois que voltei da Ásia, tive a oportunidade de tirar umas férias, minha ultima 😦 por sinal, e fui para Cuba! O desejo de conhecer os lugares menos convencionais sem duvidas me fascina.

Fui para Cuba com minhas duas irmãs e foi uma viagem bem relax, fomos para Havana e Varadero. O país é lindo e vale a visita, e sem dúvidas vale aquele velho conselho, corra enquanto é tempo para conhecer a Cuba de Fidel, pois a tendencia é eles se adaptarem cada vez mais ao mundo capitalista.

Ainda quero escrever sobre Cuba (ok já faz mais de 1 ano que a viagem aconteceu ahahha) mas esta valendo.

Este ano em Fevereiro de 2017 tive a oportunidade de fazer uma viagem bem rapida, desta vez a trabalho, para UK e França. Como não sou boba nem nada, arrumei um voo indo via Marrocos, e consegui um stopover em Clasablanca! Quem não quer conquistar mais um país na lista de lugares visitados, né? Oh e pra mim não vale contar países onde você passou só pelo aeroporto hein! se não minha lista já seria bem maior!

Bom em Casablanca meu tempo foi bem curto, mas pude encontrar com uma amiga muito querida (Fatima), que estudamos juntas no mestrado. Ela mora em Habat, que fica há pouco mais de uma hora de Casa, e como felizmente era um sábado ela foi até lá para me encontrar. Puder conhecer sua bebê recem-nascida e seu esposo. Casa é uma cidade bem desenvolvida, com bastante transito e bem grande! Eu fiquei hospedada próxima ao aeroporto, e mal sabia eu que era super longe da cidade, mas no final deu tudo certo. Fatima me mostrou um pouco da cidade e acabamos indo almoçar em um shopping. Pude conhecer a Mesquita Hassan II que é incrível e é a segunda maior Mesquita do mundo! Eu adoro visitar estes templos pela riqueza dos detalhes, e valeu a visita. Fatima me contou que o presidente queria que todo marroquino contribuísse para a construção do templo, para se sentirem parte, então ele recolher parte do dinheiro de todo mundo! Que beleza né?

A Mesquita!

A Mesquita!

Enfim, minha visita ao Marrocos foi muito breve e com certeza quero muito voltar para conhecer melhor.

Em seguida voei para Londres, esta foi minha terceira visita a Londres e que cidade incrivel! Realmente demais!

Fui a trabalho conhecer algumas escolas de idiomas, então passamos por Londres, Cambridge, Brigthon e Bournemouth, estas outras eu não conhecia e adorei conhecer.

London <3

London ❤

De lá fomos para Paris, mas seguimos direto para Amboise, cidade bem pequena que fica a beira do rio Loire, na região do Vale-du-Loire, belissima! Tem castelo e tudo mais. Depois fomos para La Rochelle na costa Ostes próxima a Ile de Ré, que eu também não conhecia mas é uma bela cidade.

Amboise e o rio Loire

Amboise e o rio Loire

Só então fomos para Paris, minha cidade preferida da vida ❤ Como é bom voltar! Pra mim foi  muito especial, fazia cerca de 1 e 3 meses que eu tinha ido embora de Paris e da minha vida de estudante intercambista, então foi maravilhoso voltar e rever meus amigos do mestrado. Ainda quero fazer um post com um roteiro que considero legal para fazer em Paris para quem tem 4-5 dias na cidade. Prometo que farei 🙂

Com os amigos no café da Amelie em Montmartre

Com os amigos no café da Amelie em Montmartre

Paris <3

Paris ❤

Esta foi então minha ultima viagem, meu coração dispara toda vez que vejo uma passagem em promoção no site Melhores Destinos hahaha! Sem duvidas quero muito poder voltar a Ásia e desta vez explorar outras lugares, como India, China, Japão e Coréia. Porém estes destinos ainda estão bem longe no momento…

Porém sonhar é FREE!

Fico feliz que volte e meia recebo o e-mail ou alguem me procura pedindo dicas sobre a Ásia, ou falando que eu as ajudei a decidir pelo destino ou até que inspirei a ter coragem de viajar sozinha! Isso é muito legal ❤

Então quero continuar escrever e relatando um pouco mais sobre minhas viagens e lugares que já passei e que espero passar 🙂

F.

Advertisements

Sobre viajar sozinha e ser mulher

Poucos entendem. Muitos questionam. Alguns encorajam. Poucas vão em frente.
Pensei em fazer um post sobre dicas para mulheres que querem viajar sozinha, mas não chega a existir dicas pois o bom senso é o que conta nessas horas. Me comporto viajando sozinha do mesmo jeito que me comportava quando morava em São Paulo. Evito andar sozinha a noite em ruas vazias, olhos sempre atentos pois sempre tem um doido que decide te seguir (e se não estiver atenta você pode não perceber), não dou papo para desconhecidos que pareçam minimamente suspeitos, etc.
large
Acho que a única dica valida é avaliar bem antes de escolher um destino e pesquisar se este destino é “friendly” para mulheres que estão viajando sozinha. Se você me perguntar se eu iria para a Índia, alguns países Árabes ou para a alguns países da África sozinha, eu diria: não muito obrigada. Alguns destinos são simplesmente muito arriscados para viajantes, e pode ser por diversos fatores, em geral é pelo fato deles não respeitarem mulheres ocidentais, por acharem que só por você usar um shorts mais curto ou mostrar os ombros, você esta disposta a ser assediada e abusada. É questão de cultura. É claro que casos como na Índia ou até na África do Sul onde o índice de estupro é altíssimo, isso está além da questão cultural e sim da maldade doentia de alguns.
large-2
O Sudeste Asiático é uma região extremamente tranquila para mulheres viajarem sozinha e acho que um dos fatores à favor é a questão da religião, pois em sua maioria Budista, nos países da região a cultura de roubo, agressão ou qualquer coisa do gênero é simplesmente inexistente. É claro que roubo existe, e em cidades grandes é importante ficar sempre atenta, porém felizmente sempre me senti segura (a não ser em Manila, nas Filipinas, local onde esta teoria não é valida)
Outro fato é que os homens locais estão cada vez mais acostumados a presença das mulheres ocidentais, e não as vêem como objetos de desejo (a não ser pela parte financeira, mas ai vale tanto para homem quanto para mulher). Porém é claro que esta lógica não vale para todos os países da região. Percebi que na Malásia e na Indonésia existe um interesse maior pelas ocidentais e vale ficar mais ligada.
Foi na Malásia a primeira vez que percebi que um homem estava me seguindo, ele era Indiano (na Malásia existem basicamente três etnias: Indianos, Chineses e Malaios). Na mesma hora que percebi já fui andando por ruas bem movimentadas e tentei falar com um segurança (apesar dele não entender inglês, eu tentei), pois ao menos o cara notou que eu tinha percebido que ele me seguia. Porém ele não parou por ai, porém depois de um tempo ele cansou, pois eu parei para falar com uns outros indianos. Enfim, tem que estar atenta.
Na Indonésia eu já percebi o fato de que os locais, quase vêem as gringas como uma esperança de sair do país, ou de conseguir alguma melhoria de vida, através de um casamento ou algo assim. O assédio era muito maior neste país, porém eles jamais eram agressivos e existia uma certa inocência até. Conheci alguns que estavam levando um relacionamento à distancia com europeias que conheceram e vi também varias gringas “atacando” os locais. Em Gili T, uma ilhota na qual fiquei por 6 dias, acabei indo embora, apesar de querer ficar mais, pois o gerente do meu hostel, após conversarmos uma única vez, já estava planejando como seria o nosso relacionamento à distancia. Oi?
Enfim, no Sudeste Asiático em geral recomendo para qualquer uma, caso queira experimentar viajar sozinha, e te digo: conheci várias que estavam fazendo isso.
No momento estou no Sri Lanka e apesar de ser um país seguro, o assédio nunca foi tão grande. Lendo, descobri que só em 2009 o país reabriu as portas para o turismo (após o fim de uma longa guerra civil) e a curiosidade deles pelos turistas é muito grande, ainda mais se você for mulher E estiver viajando sozinha. Percebi que seria um grande desafio quando O PRIMEIRO motorista de tuktuk que peguei assim que cheguei no país, ao fim de nossa corrida de uns 20 minutos, em seu inglês precário, disse: I love you, merry me! Então vale criar a estratégia de dizer que tem namorado, ou que seus amigos irão te encontrar daqui a pouco, etc… só para despistar. Mas mesmo assim, confesso que é cansativo. Mais uma vez digo eles não são agressivos, porém é chato.
Fora isso, o fato de “viajar sozinha” é difícil de entender, os locais não entendem e quando dizia que estava sozinha, alguns exclamava: QUE TRISTE! Fora o fato de sempre perguntarem se sou casada.
Sei que muitos de vocês também podem pensar o mesmo. Obvio que preferiria fazer esta viagem com amigas, porém se elas não podem, porque isso iria fazer com que eu também não fosse? Fora que existem inúmeros pontos positivos em viajar sozinha, você aprende tanta coisa e esta muito mais aberta a conhecer pessoas, fazer aquilo que quer na hora que quer (essa parte eu amo!), etc.
large-1Minhas irmãs dizem que não teriam coragem de fazer o que estou fazendo, e quem sabe isso não é para todo mundo mesmo, porém você nunca irá saber se não tentar pois quem sabe você descobre que gosta. Lógico que 5 meses viajando sozinha não é fácil, detesto não ter ninguém para tirar fotos comigo ou de mim ou de não ter ninguém para almoçar/jantar junto, ou de não ter ninguém para fazer um comentário sobre um local #drama. Felizmente como disse, existem vários outros viajantes que também estão na mesma situação que você e é ficando em hostels ou se preocupando minimamente em estar aberta a conhecer pessoas, que estes momentos de solitude são preenchidos. Eu conheci muita gente nessa viagem, pessoas super interessantes e hoje em dia sou uma pessoa muito mais sociável do que antes, fora que meu número de amigos no Facebook cresceu exponencialmente hahaha 😛
Bom é isso, digo para qualquer um, independente do gênero: vá!
A vida é curta demais para passarmos em um só lugar #clichê
Não temos nada a perder, e um mundo inteiro para ver #clichê2 !
Cheers,
F. ❤