Bagan, Myanmar, e seus milhares de templos.

Bagan era o principal lugar que eu queria visitar em Myanmar. No meu guia Lonely Planet, vi uma foto incrível desta cidade, que um dia foi capital do Reino de Pagan (entre os séculos 9 e 13), e onde um dia já houveram mais de 10 mil templos espalhados por sua planície. Hoje o numero de templos diverge, porém dizem ter entre 2 e 4 mil templos remanescentes. A foto deste lugar me encantou, ainda mais pela possibilidades de fazer uma passeio de balão, para assistir o nascer do sol. No entanto, esta euforia passou, logo que descobri que o passeio custava mais de 300 dólares 😛

Bom, viajei como um ônibus noturno, saindo do Lago Inle, até Bagan, onde cheguei lá por 4 ou 5 da madrugada. Não tinha lugar para dormir ainda e os lugares que encontrei estavam meio caro. Uma caminhonete que levava os turistas de pousada em pousada, foi nos levando em alguma opções, até que no final das contas, combinei em dividir o quarto com uma tailandesa que estava na mesma situação que eu, ou seja, pouca grana e precisando de um lugar para dormir.

Não vou recomendar o lugar que fiquei, porém existem inúmeras opções de hospedagem que variam de preços, creio que paguei cerca de 12 dólares, com café da manhã, para dividir um quarto duplo.

Assim que chegamos na cidade, nos foi cobrada uma taxa do governo para visitarmos a região de Bagan (10 dólares), mas diferente de Angkor, não há ninguém verificando se você tem o ticket ou não, porém é preciso pagar.

O local que fiquei é onde estão as pousadas mais baratas, portanto fica mais distante dos templos, o que não é nenhum problema. Por ali é fácil alugar bicicletas elétricas, tipo uma moto, só que mais lenta, por cerca de 5 dólares por dia. É uma delícia dirigir essa motoca pelos templos.

Acabei ficando em Bagan por 3 noites, porém 2 teriam sido suficientes. Fui duas vezes assistir o por do sol, que é belíssimo! Eu sou suspeita para falar, porque adoro ver o sol se pôr, mas lá é especial.

Procure um templo, existem alguns mais famosos por oferecerem uma vista de frente ao sol, chegue um pouco cedo para poder achar um lugar bem confortável, pois pode ter certeza que irá lotar de tudo quanto é tipo de gente, de monges à turistas com suas cameras e tripés.

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

No dia seguinte, combinei com algumas meninas que conheci, de irmos ver o nascer do sol. Para isso combinei com a dona da bicicleta elétrica que lá estava me esperando antes do sol nascer, fomos no escuro em direção a um templo. É fácil de achar, pois várias pessoas estão indo na mesma direção. Ah vale dizer que para todos os templos é preciso cobrir os joelhos e os ombros.

E lá ficamos até o sol nascer e mais uma vez foi um espetáculo!

Quando chegamos para ver o nascer do sol

Quando chegamos para ver o nascer do sol

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

Não é incrível?

Não é incrível?

SAMSUNG CSC

Neste mesmo dia voltei para ver o nascer do sol, só para admira-lo.

 

Meu 1o por do sol.

Meu 1o por do sol.

No dia seguinte, eu teria que esperar até o fim do dia para pegar meu ônibus de volta a Yangon, então fiquei matando o tempo lá pela cidadezinha mesmo, que não tem nada praticamente nada para ver. Se procurar existem alguns restaurantes bem típicos que servem um curry bem gostoso por preços irrisórios, do tipo 2 dólares!

Nos templos principais de Bagan, sempre tem barracas vendendo souvenir, e nos templos onde o maior público vai para assistir o nascer/por do sol, o assédio é grande, de crianças à mulheres, daquele estilo que você acaba comprando coisas que não precisa e/ou nem queria. No final comprei 2 saias típicas de Mynamar e cartão postal.

Os monges de todas as idades

Os monges de todas as idades

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

Este rapazinho falou comigo em um dia e no dia seguinte ele se lembrou de mim, ai tive que comprar.

Este rapazinho falou comigo em um dia e no dia seguinte ele se lembrou de mim, ai tive que comprar.

Cheguei em Yangon no dia seguinte bem cedo e meu vôo para Bangkok era só no final do dia. Não tinha onde dormir ou ficar, acabei entrando num parque público onde vários homens e mulheres já faziam seu exercício matinal e lá tirei um cochilo 🙂 depois fui até o hostel que eu já tinha ficado e paguei para poder tomar banho e usar o wi-fi. Dei mais umas voltas e peguei um taxi até o aeroporto.

Yangon

Yangon

SAMSUNG CSC

Myanmar esta sem dúvidas no meu top 3 dos países favoritos do Sudeste Asiático! O país mantém toda sua originalidade, tendo sido pouquíssimo afetado pelo Ocidente e foi isso que eu achei o mais bonito de tudo. O povo é de uma receptividade e carinho genuíno, que muitas vezes me deixava sem graça tamanha alegria por nos receber eles demonstravam. O país ainda é pouco desenvolvido, porém já é bem preparado para os turistas, apesar de poucos falarem bem inglês, porém saber sorrir para seus visitantes como ninguém 🙂 ou seja, você deve ir!

<3

Cheers,

F. ❤

Roteiro para 30 dias no Sudeste Asiático!

Eu fui uma grande felizarda em poder explorar o Sudeste Asiático ao longo de 8 meses, porém sei que pouquíssimos tem esta quantidade de tempo e infelizmente devem se contentar em escolher quais lugares exatos ir, em apenas 30 dias, durante as férias do trabalho e/ou estudos.

É possível conhecer a região em 30 dias? Não, é claro. Porém é possível passar por lugares incríveis e sim conhecer cidades e pessoas que farão com que você ainda volte para esta região, assim que possível.

Assim como um roteiro na Europa, é muito melhor tentar se concentrar em 3-4 países, ao invés de 10, pois assim você realmente não irá conhecer nada, a não ser que você seja o tipo de turista que só se importa em ter uma foto no ponto turístico X e segue adiante.

Este roteiro varia em relação ao que você busca neste subcontinente. Você quer ver de tudo um pouco? Praias belíssimas, templos reluzentes, prédios futurístico? Baladas históricas, passeios feitos SÓ para os turistas?

As opções são inúmeras, e é difícil eu selecionar quais são os lugares mais tops que eu voltaria caso eu tivesse apenas 30 dias, mas vamos lá:

Chegaria por Bangkok (Tailândia) – 2 dias

Seguiria para Chiang Mai (Tailândia) – 3 dias

Voaria para Yangon (Myanmar) – 2 dias

Ônibus noturno para Bagan (Myanmar) – 2 dias

Ônibus noturno para Mandalay (Myanmar) 2 dias

Voaria para Hanói (Vietnã) – 2 dias

de Hanói sai o tour para Halong Bay – 2 dias

quando voltasse para Hanói vindo de Halong Bay, pegaria o bus noturno para SAPA (trekking)- 3 dias

Voaria para Hoi An (o aeroporto fica em Danang) – 4 dias

Voaria para Siem Reap (Camboja) – 3 dias

Voaria para Krabi (Tailândia) –  3 dias

Koh Pi Pi – 2 dias – Retorno para Bangkok para pegar o vôo de volta.

30 DIAS!

Este é um roteiro BEM intenso e que se for incluir o tempo gasto com transfers, talvez não seja possível e uma cidade teria que ser cortada.

É um roteiro que não esta incluso muita praia, então se você busca mais praias este roteiro teria que ser adaptado.

É claro que Malásia, Cingapura e Indonésia são incríveis, porém par suma primeira viagem para a região, escolhas devem ser feitas. No total neste roteiro seria possível conhecer bem 4 países.

Espero que este roteiro ajude algum de vocês que está planejando um mochilão para esta região 🙂

Qualquer dúvida, ficarei feliz em ajudar.

Ps.: Tirando Krabi e Koh Pi Pi, na Tailândia, todos os outros lugares eu fui e é possível encontrar mais informações aqui no blog.

large

Cheers,

F. ❤

Yangon, Myanmar!

Em Outubro de 2014 fui à Myanmar, o último destino da minha viagem de 8 meses pelo Sudeste Asiático. Já tinha conhecido quase toda a região, então incluir Myanmar no roteiro fazia todo sentido. Conhecia muito pouco sobre o lugar, porém desde o início da minha viagem, ir à Bagan e ver os mais de 4 mil templos que ali estão, fazia parte do meu imaginário e deveria correr atrás para realizar este meu ultimo desejo antes de partir.

Comprei meu trecho aéreo com a AirAsia saindo de Kuala Lumpur e chegando em Yangon. Escolhi chegar lá pois este é o único ponto de entrada do país onde você pode entrar com o visto emitido online. Confesso que antes de definir se iria para Myanmar ou não, os tramites para conseguir o visto estavam pesando contra, porém felizmente no inicio de setembro o Brasil entrou para a lista dos países que podem solicitar o e-visa (porém deve-se entrar via Yangon) e minha vida ficou muito mais fácil.

O visto deve ser requisitado com alguns dias de antecedência e a taxa de 50 dólares é paga online. Super fácil aqui.

O país abriu muito recentemente para o turismo, o resultado disso é que para mochileiros não é o país mais fácil ou barato de se viajar, porém suas paisagens e pessoas fazem deste país um lugar mágico. Fiquei encantada com a simplicidade e genuinidade deste povo, que sempre que viam um turista sorriam, me fazendo sentir bem vinda.

É de se imaginar que inglês é muito pouco falado por aqui, porém não chega a ser um problema. Antes de chegar ao país tinha pensado em fazer um roteiro básico que incluiria: Yangon, Inle Lake, Mandalay e Bagan. Diria que estes são os principais destinos, além da Golden Rock e o litoral do país que também é belissimo. O que eu não esperava é que as distancias entre cada um desses destinos são enormes, entre 10 e 12 horas de ônibus e por ser meu último país deste mochilão (ainda passei 3 dias em Bangkok antes de embarcar rumo a Europa), estava extremamente cansada de passar noites mal dormidas em viagens perigosas, e sim em geral todos os ônibus em Myanmar viajam durante a noite.

Fora isso, os trechos de ônibus custavam caro, como por exemplo de Yangon para Inle Lake, que custou algo como 18 dólares. Para quem esta viajando com um orçamento limitado este é uma valor alto, fora que o hostel mais barato em Yangon custou 12 dólares e estava longe de ser bom. Foi com eles mesmo que comprei a passagem de ônibus (que este sim foi bem confortável) e lá do hostel, no centro de Yangon, dividi um táxi com um alemão, já que a rodoviária fica super longe, levamos certa de 1 hora para chegar lá e custou cerca de 8 dólares (sem ar-condicionado, pois com ar é mais caro!).

Bom, agora falando de Yangon, ao chegar no aeroporto paguei 7 dólares para chegar ao hostel e como cheguei pela manhã, aproveitei para ir caminhar e visitar o mercado central, um dos principais pontos turísticos da cidade.

Achei Yangon uma cidade VIVA, e foi isso o que mais gostei de lá. Não é uma cidade bonita, porém as pessoas estão nas ruas, comprando, vendendo, negociando, freiras e monges passando, etc. gostei bastante. Fora que adoro ver o comércio local e principalmente a culinária local. Já fui de cara comer um macarrão que pedi através de mímica, muito gostoso pois após os ingredientes serem colocados numa vasilha a moça misturou tudo com as próprias mãos (sem luvas), dando um tempero especial ao prato 😛 estava delicioso e custou menos de 1 dólar, o que me fez repetir o prato.

Meu almoço sendo preparado :)

Meu almoço sendo preparado 🙂

Delícia!

Delícia!

Aceita um grilo frito?

Aceita um grilo frito?

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

O mercado central em si não achei nada demais, porém para quem gosta de souvenirs, pedras de jade e bugigangas lá é o local. Voltei caminhando para o hostel e explorando as ruelas até chegar a minha rua.

As freiras andando pelo mercado central e recolhendo doações.

As freiras andando pelo mercado central e recolhendo doações.

No dia seguinte fui visitar o principal templo do país a Shwedagon Pagoda, para chegar lá pretendia ir caminhando, porém o sol era forte e Yangon não é uma cidade muito pequena, então acabei indo de táxi. Para visitar o templo custa 10 dólares e deve-se ter os ombros e pernas cobertas (eu acabei tendo que “alugar” um lenço para cobrir as pernas). O local é enorme e a maioria são locais e peregrinos, e com certeza vale a visita. Saindo do templo, fiquei sabendo sobre uma exposição fotográfica que estava acontecendo no Museu Nacional, e fui visitar e gostei muito também.

A Pagoda

A Pagoda

Os monges

Os monges

Já tinha passado dois dias inteiros em Yangon e não tinha mais muito para se ver, porém como já tinha comprado passagem para o Inle Lake só para o dia seguinte, aproveitei para ir ao cinema, descansar, trabalhar etc.

Super recomendo Yangon, e como comentei 2 dias são suficientes 🙂

Próxima parada Inle Lake.

Prometo que irei atualizar mais o blog!

Cheers,

F. ❤

Kuta, Lombok – Indonésia

Saindo de Gili T, peguei um barco até a ilha de Lombok. Ainda tinha 4 dias até ter que pegar meu vôo e escolhi ir para Kuta. Tanto em Bali quanto em Lombok existem cidades chamadas Kuta, porém não existe comparação uma com a outra, Kuta, Bali é a cidade mais badalada e moderna de Bali, já Kuta, Lombok é bem rústica e super simples.
Chegando no porto de Lombok, dividi um taxi com outros 2 turistas (a corrida custou 10 dólares para cada), já que assim como Bali em Lombok não existe ônibus turísticos conectando as cidades.
Chegando em Lombok, fui atrás de alguma guesthouse, seguindo recomendação do meu guia Lonely Planet, negociei o preço (pedir desconto é sempre válido! 🙂 e fechei por 13 dólares um quarto privado com internet rápida! #luxo !
A cidade em si é base para surfista, o que não é o meu caso ahhah Mas existem inúmeros lugares que oferecem aula de surf, mas não quis encarar. Estava vindo de 6 dias na praia e confesso que já estava meio cansada de praia, porém aproveitei mesmo assim. Em geral ia logo cedo e depois no fim da tarde saia para correr (em uma dessas foi quando fui atacada pelo macaco muito louco 😛 )…
Não recomendaria esta cidade, a não ser que você seja surfista ou queira algo bem roots. Eu mesmo assim gostei, pois tive dias bem tranquilos, curtindo a paisagem, me exercitando, etc.
Screen Shot 2014-10-31 at 10.46.22

Lindo por do sol

JpegJpeg
Infelizmente vi muitas crianças trabalhando nesta cidade, basicamente vendendo estas pulseiras, porém elas eram muitas e muito insistentes :/ Comprei duas no inicio, porém não podia comprar mais. Quando estava na praia comecei a brincar com eles, e nos divertimos, pois eles são apenas crianças, que infelizmente devido as circunstancias tinham que estar trabalhando.
Saindo de lá, por 6 dólares taxis te levam ao aeroporto, que só existe um único na ilha e de lá segui para uma parada rápida de 24 horas em Kuala Lumpur, até pegar meu vôo para o Sri Lanka.
Ah vale dizer que para sair da Indonésia, deve-se pagar 150.000 rufias (cerca de 15 dólares). Eu já tinha limpado minha carteira de qualquer rupia possível e tive que correr à um caixa eletrônico para poder pagar a taxa. Então fica a dica 🙂
Indonésia é uma país lindo, barato, com comida boa e pessoas acolhedoras (acho que tenho falado isso de todos lugares que passei 😛 ) e sem dúvidas vale a visita. Acabei ficando quase 1 mês no país e talvez poderia ter conhecido mais lugares, como a ilha de Flores, onde encontra-se o dragão de komodo (foto), porém por já estar viajando a um longo tempo, tenho optado por fazer menos stops e curtir mais cada lugar.
Optei também por chegar em Java e sair por Lombok, e acho que foi uma escolha bem inteligente (modéstia parte) pois desta forma fui seguindo de barco, de uma ilha para a outra, e não tive que pegar vôos internos. Mais uma vez vale lembrar que a Air Asia conecta a maioria das grandes cidades do país. Deixei de fora Borneo e Sumatra (onde encontra-se os Orangoutangos), mas como disse, o país é muito grande e foi preciso escolher e no meu caso o que mais queria conhecer era Bali, onde passei 10 dias.
Levarei só lembranças boas deste país e sem dúvida entra para a lista dos países que voltaria 🙂
Cheers,
F. ❤

Quanto custa um mochilão pelo Sudeste Asiático?

Quis escrever este post para aqueles que sonham com uma viagem pelo Sudeste Asiático, porém acham que é muito caro e só quem é rico pode fazer.

Esta é a região considerada mais barata para quem quer “mochilar” e até para quem quer vir de férias também. É importante que existe uma grande diferença entre estes dois estilos de viagem e um não é melhor ou pior do que o outro. Quem vem de férias quer ter conforto, sombra e água fresca (e comida ocidental em sua maioria), porém se você que vir como mochileiro, a sua intenção maior é conhecer a região e não se importar se terá que dormir com mais 15 pessoas no mesmo quarto, ou comer na rua como os locais, ou ter que viajar 12 horas em um ônibus público. São estilos diferentes.

É bem conhecido entre os backpackers que no SE Asiático um budget de 30 dólares por dia (para tudo!) é possível. E eu confirmo esta teoria (inclusive era possível muita massagem tailandesa e balinesa!). Levando em consideração que se gasta no máximo 10 dólares para acomodação, ainda sobra 20 dólares para o restante, que inclui alimentação (se o hostel oferecer café da manhã é um plus!), passeios, transporte e até souvenirs. É claro que existem dias que irá se gastar mais do que outros, por exemplo se você tiver que pagar 15 dólares em um trecho de ônibus, você neste dia irá acabar ultrapassando seu budget, porém em geral um dia compensa o outro.

No meu primeiro mês de viajem usei um APP no celular para controlar todos meus gastos e depois que peguei o ritmo, não precisei mais.  Já sabia quanto devia gastar em cada refeição e qual passeio valeria a pena ou não.

As contas: 30×31 dias =Us$ 930,00. Neste caso eu recomendaria arredondar para 1000, pois ai você tem um extra que te dará mais possibilidades.

Vale dizer que em lugares onde não há tantas atrações turísticas, como praia por exemplo, eu gastava 20 dólares por dia! Isso é muito pouco!

Em geral a média de preços em todo Sudeste Asiático é a mesma, porém alguns lugares que são mais turísticos que outros, você provavelmente irá gastar um pouco mais. Outros países ainda não são tão preparados para mochileiros e tudo fica um pouco mais caro, apesar de que o único lugar que passei por isso foi nas Filipinas, os demais são mais backpacker-friendly.

Para conseguir manter este budget é preciso estar disposto a comer como os locais  e esquecer as comidas ocidentais (deixe a pizza, hamburger e pasta para quando você voltar) e te digo que isto é a melhor coisa que você pode fazer, pois assim você conhece ainda mais a cultura local e experimenta uma culinária única (e muito deliciosa!)!

É preciso também abrir mão de comprar cada bugiganga que você ver, e olha que é difícil! Mas com este budget ainda é possível comprar alguns souvenirs e camisetas/calças e vestidos ao longo da viagem, já que tudo é muito barato.

large

Eu fiz a maioria dos trechos de ônibus, pois eu tinha tempo para isso, porém se você não tem tempo ai vale considerar comprar trechos aéreos e que felizmente também são baratos, pois existem inúmeras cia aérea low cost na região. Quando tive que viajar de avião usei Air Asia que é a melhor low cost e abrange um número enorme de destinos, porém tem que comprar com um pouco de antecedência.

Caso você queria fazer algo mais “extravagante” se programe para isso. No meu caso eu queria tirar meu certificado de mergulho PADI, que custou 400 dólares e é claro que não estava no meu budget mensal, porém me organizei para isso e fiz. Para quem quer fazer algum tipo de passeio mais exclusivo, como cruzeiro, passeio de balão etc, é só se organizar e incluir isto no orçamento.

O que é o mais “pesado” é o trecho internacional, Brasil-Ásia. Neste caso recomendaria chegar ou em Bangkok ou em Kuala Lumpur que são os dois maiores hubs da região e que independente de onde você terminar seu roteiro, são destinos de fácil acesso. Inclusive a Air Asia usa como hub principal Kuala Lumpur.

Uma passagem do Brasil para Bangkok ou para KL comprada com antecedência pode custar entre 1200-1500 dólares. O que não difere muito de uma pessagem para New York, por exemplo.

Bom é isso ai, só para dizer que é muito mais possível do que muitos imaginam 🙂

Cheers,

F. ❤

Ubud, a verdadeira Bali!

Se seu desejo é ver campos de arroz verdíssimos, templos hindus só encontrados aqui, nativos usando suas roupas tradicionais e mantendo seus costumes, tudo isso é visto na mais charmosa cidade de Bali, em Ubud.

Ubud não fica muito longe da região de Denpasar (onde fica o aeroporto) e oferece inúmeras opções de acomodação e restaurantes. Vale pesquisar rapidamente onde você irá se hospedar, pois foi lá em Ubud one o episódio do rato na minha cama aconteceu (confere aqui). Porém depois deste episódio traumático, fiquei em um dos melhores hostels de toda minha viagem. Apesar de ser super simples, o quarto era só ventilador e a internet era bem ruim, porém o lugar era uma casa típica de Bali, com uma varanda e sofás e redes

Na entrada do hostel

Na entrada do hostel

espalhados pelo local, com música ambiente (inclusive música brasileira) e mal queria sair de lá de tão gostoso (o hostel chama In Da Lodge).

Ubud é uma cidade pequena rodeada de templos e campos de arroz e que valem a pena alugar uma bicicleta ou moto e explorar a região, sem rumo. Eu aluguei bike por uns 2 dias porém mais para passear pela cidade pois lá é uma região de montanhas então a não ser que você seja ciclista profissional, você terá que se render a uma moto.

Fiquei 5 dias em Ubud e foi difícil partir, a cidade é super relax e para quem está viajando por um longo tempo, é o lugar perfeito para descansar, fazer massagens balinesas (6-7 US por 1 hora de massagem!) e aproveitar para conhecer mais a cultura local.

SAMSUNG CSC

A riqueza de detalhes das casas balinesas são únicos.

SAMSUNG CSC

Arranjo de flores

SAMSUNG CSC

Um dos templos da cidade, com um jardim de flor de lotus na frente.

SAMSUNG CSC

A flor mais bela da Ásia!

Em um dia fui a Monkey Forest, e recomendo a visita. Além de ser uma floresta bem grande, lá tem também um templo e milhões de macacos. Mas os de lá são bem tranquilos e a não ser que eles vejam que você tem alguma comida, eles não irão te atacar. Gostei de ter ido só para ficar observando os bichos que são muito fofos. Aqui vai um book fotográfico deles 🙂

SAMSUNG CSC

Família unida 🙂

SAMSUNG CSC

Os serelepes

SAMSUNG CSC

Esse daqui estava tirando uma soneca SENTADO! quase morri! ahhaha

SAMSUNG CSC

Amigos que conferem a barba um do outro!

SAMSUNG CSC

O baby dormindo abraçado… ❤

Existe um bom mercado/feira na cidade onde você encontrará todos os souvenirs possíveis e imagináveis e é divicil resistir ao papo dos vendedores. Vale lembrar que deve-se sempre barganhar o preço.

Em Ubud é possível também assistir a shows de dança típica balinesa que acontecem todas as noites as 19h-20h por uns 8 dólares. Eu acabei não indo, porém é uma opção para aqueles que estão procurando algo para fazer a noite. Ah vale dizer que diferente de Kuta, em Ubud não existem baladas ou festas, o máximo que existe são bares/restaurantes com música ao vivo. Fui em duas noites diferentes com os brasileiros que tinha conhecido em Kuta e foi super gostoso. Ah e come-se muito bem em Ubud também, existem vários restaurantes e que podem ser um pouco mais caro, já que por ser uma região turística não encontrei comida de rua. Mas mesmo assim era possível achar restaurantes onde almoço ou jantar custava cerca de 3-4 dólares.

SAMSUNG CSC

Andando pela cidade, acabei entrando em uma escola local e conversei com eles que foram super simpáticos e são lindos né?

No meu último dia ainda não tinha ido visitar/ver nenhum dos campos de arroz que rodeiam a cidade. Felizmente conheci uma mexicana no hostel e ela tinha encontrado um lugar lindo onde era possível vê-los e era super escondido. Então fomos caminhando até lá  para assistir o por-do-sol e tirar várias fotos. E esse foi o jeito mais inesquecível de me despedir de Ubud, pois o lugar era super calmo, uma paz… e a paisagem era linda.

SAMSUNG CSC SAMSUNG CSC

Adorei Ubud e recomendo a qualquer um que queria ver a verdadeira Bali!

Cheers,

F.<3

Sobre viajar sozinha e ser mulher

Poucos entendem. Muitos questionam. Alguns encorajam. Poucas vão em frente.
Pensei em fazer um post sobre dicas para mulheres que querem viajar sozinha, mas não chega a existir dicas pois o bom senso é o que conta nessas horas. Me comporto viajando sozinha do mesmo jeito que me comportava quando morava em São Paulo. Evito andar sozinha a noite em ruas vazias, olhos sempre atentos pois sempre tem um doido que decide te seguir (e se não estiver atenta você pode não perceber), não dou papo para desconhecidos que pareçam minimamente suspeitos, etc.
large
Acho que a única dica valida é avaliar bem antes de escolher um destino e pesquisar se este destino é “friendly” para mulheres que estão viajando sozinha. Se você me perguntar se eu iria para a Índia, alguns países Árabes ou para a alguns países da África sozinha, eu diria: não muito obrigada. Alguns destinos são simplesmente muito arriscados para viajantes, e pode ser por diversos fatores, em geral é pelo fato deles não respeitarem mulheres ocidentais, por acharem que só por você usar um shorts mais curto ou mostrar os ombros, você esta disposta a ser assediada e abusada. É questão de cultura. É claro que casos como na Índia ou até na África do Sul onde o índice de estupro é altíssimo, isso está além da questão cultural e sim da maldade doentia de alguns.
large-2
O Sudeste Asiático é uma região extremamente tranquila para mulheres viajarem sozinha e acho que um dos fatores à favor é a questão da religião, pois em sua maioria Budista, nos países da região a cultura de roubo, agressão ou qualquer coisa do gênero é simplesmente inexistente. É claro que roubo existe, e em cidades grandes é importante ficar sempre atenta, porém felizmente sempre me senti segura (a não ser em Manila, nas Filipinas, local onde esta teoria não é valida)
Outro fato é que os homens locais estão cada vez mais acostumados a presença das mulheres ocidentais, e não as vêem como objetos de desejo (a não ser pela parte financeira, mas ai vale tanto para homem quanto para mulher). Porém é claro que esta lógica não vale para todos os países da região. Percebi que na Malásia e na Indonésia existe um interesse maior pelas ocidentais e vale ficar mais ligada.
Foi na Malásia a primeira vez que percebi que um homem estava me seguindo, ele era Indiano (na Malásia existem basicamente três etnias: Indianos, Chineses e Malaios). Na mesma hora que percebi já fui andando por ruas bem movimentadas e tentei falar com um segurança (apesar dele não entender inglês, eu tentei), pois ao menos o cara notou que eu tinha percebido que ele me seguia. Porém ele não parou por ai, porém depois de um tempo ele cansou, pois eu parei para falar com uns outros indianos. Enfim, tem que estar atenta.
Na Indonésia eu já percebi o fato de que os locais, quase vêem as gringas como uma esperança de sair do país, ou de conseguir alguma melhoria de vida, através de um casamento ou algo assim. O assédio era muito maior neste país, porém eles jamais eram agressivos e existia uma certa inocência até. Conheci alguns que estavam levando um relacionamento à distancia com europeias que conheceram e vi também varias gringas “atacando” os locais. Em Gili T, uma ilhota na qual fiquei por 6 dias, acabei indo embora, apesar de querer ficar mais, pois o gerente do meu hostel, após conversarmos uma única vez, já estava planejando como seria o nosso relacionamento à distancia. Oi?
Enfim, no Sudeste Asiático em geral recomendo para qualquer uma, caso queira experimentar viajar sozinha, e te digo: conheci várias que estavam fazendo isso.
No momento estou no Sri Lanka e apesar de ser um país seguro, o assédio nunca foi tão grande. Lendo, descobri que só em 2009 o país reabriu as portas para o turismo (após o fim de uma longa guerra civil) e a curiosidade deles pelos turistas é muito grande, ainda mais se você for mulher E estiver viajando sozinha. Percebi que seria um grande desafio quando O PRIMEIRO motorista de tuktuk que peguei assim que cheguei no país, ao fim de nossa corrida de uns 20 minutos, em seu inglês precário, disse: I love you, merry me! Então vale criar a estratégia de dizer que tem namorado, ou que seus amigos irão te encontrar daqui a pouco, etc… só para despistar. Mas mesmo assim, confesso que é cansativo. Mais uma vez digo eles não são agressivos, porém é chato.
Fora isso, o fato de “viajar sozinha” é difícil de entender, os locais não entendem e quando dizia que estava sozinha, alguns exclamava: QUE TRISTE! Fora o fato de sempre perguntarem se sou casada.
Sei que muitos de vocês também podem pensar o mesmo. Obvio que preferiria fazer esta viagem com amigas, porém se elas não podem, porque isso iria fazer com que eu também não fosse? Fora que existem inúmeros pontos positivos em viajar sozinha, você aprende tanta coisa e esta muito mais aberta a conhecer pessoas, fazer aquilo que quer na hora que quer (essa parte eu amo!), etc.
large-1Minhas irmãs dizem que não teriam coragem de fazer o que estou fazendo, e quem sabe isso não é para todo mundo mesmo, porém você nunca irá saber se não tentar pois quem sabe você descobre que gosta. Lógico que 5 meses viajando sozinha não é fácil, detesto não ter ninguém para tirar fotos comigo ou de mim ou de não ter ninguém para almoçar/jantar junto, ou de não ter ninguém para fazer um comentário sobre um local #drama. Felizmente como disse, existem vários outros viajantes que também estão na mesma situação que você e é ficando em hostels ou se preocupando minimamente em estar aberta a conhecer pessoas, que estes momentos de solitude são preenchidos. Eu conheci muita gente nessa viagem, pessoas super interessantes e hoje em dia sou uma pessoa muito mais sociável do que antes, fora que meu número de amigos no Facebook cresceu exponencialmente hahaha 😛
Bom é isso, digo para qualquer um, independente do gênero: vá!
A vida é curta demais para passarmos em um só lugar #clichê
Não temos nada a perder, e um mundo inteiro para ver #clichê2 !
Cheers,
F. ❤